11 de dezembro de 2010

Como cobrar por um site usando o CMS XOOPS?

Criei este artigo em resposta a esta pergunta do título feita por um colega da comunidade de usuários do CMS XOOPS no Brasil. O fórum estava hospedado no Ning e acabou sendo fechado e a comunidade agora tem um site novo, o http://guxbrasil.org. Trouxe este texto para cá para que possa servir de apoio ao nosso conteúdo do Curso Web na FAVENI.

Como cobrar por um site usando o CMS XOOPS?

Em primeiro lugar, estabeleça o valor mínimo de instalação, que seria a instalação do CMS XOOPS com a configuração do layout personalizado, a configuração dos blocos para a página home e tudo o que o XOOPS já oferece, ou seja, cadastro de usuários, segurança, escalabilidade, desenvolvimento em módulos, Open Source, etc. O resto, páginas e módulos em geral, você cobra por item. Isso ajuda a fazer com que o cliente ajuste o orçamento dele dentro de uma quantidade de funcionalidades do site, senão fica aquela história de pedir um site completo e depois pedir um preço baixo porque o orçamento dele é restrito. Se este for o caso, diminua a quantidade de páginas, ou de módulos, deixe para colocar numa ampliação mais tarde...

Coloque um preço para páginas de conteúdo estático, do tipo "Quem somos", "Localização". Aí você pode criar essas páginas usando o módulo Mastop Publish ou algum outro similar. Dependendo da complexidade da página ela pode ser um item diferente, como por exemplo, uma página de catálogo de produtos, que teria um valor diferente porque dá mais trabalho para fazer.

Defina os tipos de clientes e de sites que você terá condições de fazer, por exemplo, um site de uma empresa de comércio vai ter mais ou menos as mesmas funcionalidades, módulos e tal. Um site para uma escola terá um pacote de módulos diferentes. Para uma revista online, para um jornal de classificados, etc. Disso depende o valor de cada módulo, porque um módulo de notícias para um site de comércio é bacana, mas não é tão estratégico quando para um site de um jornal online. Para um jornal online o preço de instalação de um módulo de Notícias é mais caro, porque provavelmente você terá que criar mais categorias de notícias, mais blocos na home com características diferentes, integração com o RSS publicando automaticamente no Twitter, e por aí vai. Sem falar que esse módulo é o "centro nervoso" do site, então tem um valor estratégico. Considerando isso, não dá para ter um valor fixo para instalação de módulos, depende do tipo do site.

Definido o perfil dos sites que você vai estar apto para atender, crie uma tabela de preços para cada perfil, listando o valor da instalação mínima, o valor das páginas estáticas e o valor das funcionalidades (módulos). Não perca tempo em oferecer um módulo de "Mural de Recados" para uma loja de Auto-peças! E evite uma lista muito grande com um valor final na casa dos 5 dígitos para não "assustar o passarinho". Vá aos poucos.

Dentro de cada perfil imagine o site ideal para cada um desses clientes (loja, escola, jornal). Esse pacote completo, ou seja, a tabela de preços cheia é o que você vai tentar vender para o cliente. Se ele fechar o contrato com tudo o que você sugeriu o site vai ficar excelente. Agora, se ele não quiser gastar muito, você vai ver que ele mesmo vai optar por tirar uma coisa ou outra, ao invés de querer tudo e pedir um desconto. Se ele pedir para tirar algo que é fundamental para o site, aí você tem como argumentar que o site sem aquela parte fica incompleto.

Uma dica final para calcular o valor dos módulos em cada tabela de preço para cada perfil é o seguinte: pense no esforço de trabalho que você terá e no tempo que vai levar para você fazer o site no padrão completo. Imagine um número ($$) que te deixe tranquilo e que pague o seu esforço. A partir desse número, que varia de acordo com o seu nível de qualidade de serviço, com a região do país onde você mora, com o tempo disponível que você tem, etc etc, pegue esse número e monte a tabela de preço até bater o valor. Como? Primeiro determine quanto custa a instalação básica, o limite mínimo que você aceitaria para pegar o projeto, depois dê o valor mais alto para o módulo que vai dar mais trabalho para fazer e vá atribuindo valores menores para os mais fáceis, até chegar no valor da página de conteúdo simples. Puxa daqui, puxa dali e pronto. Com isso você vai ter um valor total para cada item daquele perfil de site, que certamente tem níveis de dificuldade e de complexidade diferentes. Vai ter também valores intermediários para negociar com o cliente. E o mais importante, você terá um valor mínimo para que não caia num projeto onde vai ter que trabalhar mais do que o cliente está pagando.

Isto tudo colocado, ainda tem a questão da abertura de mercado e criação de portfólio. Com muito critério e sem sacrificar demais o valor do seu trabalho, pode ser que surja um projeto onde vale a pena diminuir um pouco o valor cobrado para ter um cliente que vai te dar projeção no mercado. É de se pensar, mas quem sabe melhor disso é você. Tome cuidado com o cliente que te pede um site pela metade do preço porque depois vai te indicar para um monte de clientes. Você é quem decide se o site é estratégico para o seu portfólio.

Entenda que essa flexibilidade nos valores não é dar um preço de acordo com a cara do cliente, de maneira alguma. Estamos falando de dificuldades diferentes em instalar um módulo, como no exemplo, o de Notícias, num site de um jornal e num site de uma empresa de comércio. E no final das contas, depois que cada perfil tiver o seu valor de tabela, será aplicado sempre o mesmo valor. Isso também facilita na hora de responder uma cotação de preços.

Para finalizar, complemente seus serviços com itens como tradução do site para outro idioma, criação das fotos para o site, inclusão do site em mecanismos de busca, registro do domínio, configuração no Google Analytics, Adsense, criação de perfil no Twitter, criação de campanhas de email-marketing, enfim, não fique só no que o XOOPS oferece, coloque uma cereja no bolo também. E cobre por isso!

Agora sim a última mas não menos importante, faça tudo no papel: apresentação sua e de seu trabalho, apresentação da proposta, da tabela de preço (com data de validade), contrato ao fechar o negócio com prazos de pagamento e termos de uso do site ao entregar o projeto pronto. Não deixe as coisas soltas porque senão toda essa ginástica de valores vai por água abaixo. Pode acontecer de você vai estar na metade do projeto e ouvir frases como "Vi isso num site, tem como colocar?", "Temos mais 10 linhas de produtos que havia esquecido...", ou então "E se a gente colocar um formulário de contato para cada setor?".  O melhor a se fazer para evitar essas surpresas é colocar o que será feito em contrato e seguir o que foi combinado. Isso vale para os seus prazos também, que precisam ser respeitados.

Se tiver dúvidas ou sugestões, mande seu comentário!
blog comments powered by Disqus